Bom Jardim Notícias.com

Triturar ou partir comprimido não é recomendável. Cuidado com a dose.

Triturar ou partir comprimido não é recomendável. Cuidado com a dose.
É certo triturar um comprimido antes de tomá-lo? É correto dividir um comprimido ao meio para conseguir meia dose? Faz mal dissolver algum medicamento em bebidas ou líquidos?
Partir ou triturar comprimidos, dissolver o conteúdo de cápsulas, diluir medicamentos em bebidas, de um modo geral, são práticas muito frequentes.
As pessoas fazem isso por conta própria, muitas vezes alegando que precisam adequar a dose prescrita pelo médico, outras para facilitar a deglutição e às vezes até para disfarçar o gosto ruim do medicamento.
Entretanto, poucos sabem que essas atitudes podem prejudicar o tratamento. Os efeitos esperados do medicamento podem ser anulados, ou haver um quadro de intoxicação medicamentosa.
A eficácia da terapia medicamentosa pode ser comprometida devido ao costume da população de partir, triturar ou dissolver medicamentos.
Quando se divide um comprimido ou uma drágea ao meio, por exemplo, não se tem a garantia que os tamanhos serão exatamente iguais e muito menos que cada metade tenha a mesma quantidade do princípio ativo. Desse modo, as duas partes não terão o mesmo valor terapêutico e o paciente poderá fazer uso de uma quantidade menor (subdosagem) ou maior (superdosagem) do principio ativo prescrito pelo médico.
Mesmo em comprimidos que vêm com um sulco central para indicar o local onde podem ser partidos, não se tem a garantia de que as duas metades serão iguais. Dificilmente elas terão o mesmo valor terapêutico.
Partição de comprimidos “sulcados” não garante duas partes com o mesmo valor terapêutico
Existem outros agravantes, como, por exemplo, o caso dos comprimidos que vêm com revestimento gástrico para que sua absorção ocorra no intestino, e não no estômago. Esses comprimidos são desenvolvidos para serem absorvidos lentamente, muitas vezes em seis e até 12 horas. Se partidos ou triturados, acabam liberando todo o princípio ativo de uma só vez e isso pode levar o paciente a um quadro de intoxicação.
Outra coisa que pode ser bastante nociva é diluir qualquer forma farmacêutica em bebidas. Refrigerantes, chás, leite e até sucos de fruta podem reagir com o medica­mento e alterar sua absorção no organismo. O melhor mesmo é ingeri-lo com água.
“Alterar a forma original de qualquer apresentação farmacêutica é uma prática altamente condenável. O paciente deverá ser orientado corretamente por um profissional farmacêutico, na farmácia, (o farmacêutico é o profissional indicado para esclarecer qualquer dúvida sobre a adequação das doses prescritas pelo médico) e caso haja necessidade, procurar novamente o médico para saber qual apresentação farmacêutica atende melhor às suas necessidades”, disse a farmacêutica Fernanda Bettarello do CRF-SP à Revista do Farmacêutico número 96.
O médico pode adequar o tratamento às necessidades do paciente, há opções de medi­camentos em diferentes formas farma­cêuticas; xaropes, suspensão em gotas, supositórios e a manipulação de fórmulas podem ser sugeridos ao paciente.
Bibliografia: Revista do Farmacêutico – CRF-SP – Edição 96 – 2009

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta