Bom Jardim Notícias.com

Material escolar tem diferença de preço de até 200%, aponta Procon-PE

Uma pesquisa realizada pelo Procon-Pernambuco no mês de dezembro revelou uma diferença de mais de 200% nos preços de material escolar. O levantamento foi feito em 19 estabelecimentos comerciais do Recife e teve como base os produtos iguais ou semelhantes mais pedidos pelas escolas, como lápis de cor, hidrocor, régua, tesoura, cadernos e alguns tipos de papel. A maior disparidade foi encontrada no custo do apontador simples, que variou de R$ 0,15 a R$ 0,50.

Márcia faz cotações para economizar nas compras (Foto: Luna Markman/G1)
Márcia faz cotações para economizar nas
compras de material (Foto: Luna Markman/G1)

O estudo também observou que, em relação ao mesmo período do ano passado, houve um aumento em quase todos os produtos pesquisados. O caderno brochura 60 folhas, por exemplo, apresentou reajuste de 119% em relação a 2010.

De olho nessas variações, a coordenadora de compras Márcia Leite não teve dúvidas: pegou a lista de material escolar da filha e fez cotações em diferentes lojas. “Em um lugar, a conta deu R$ 134. Em outro, R$ 78. O dinheiro que sobra dá para comprar uma lancheira. É preciso achar um tempo para pesquisar e fazer valer o dinheiro suado que a gente ganha”, comentou ela, que aproveitou o horário de almoço para fazer compras.

Comparar os preços é a melhor estratégia para economizar, orienta o Procon. Aproveitar o 13° salário para adiantar as compras no mês de dezembro também. É que a procura no comércio ainda está baixa, assim como os preços. “Eu gosto de ir à loja antes de janeiro, pois ainda há muitas opções nas prateleiras e o comércio não está tão cheio de gente”, disse a geóloga Fátima Lira.

Esperta, a empresária Juliana Sousa levou Maria Clara, 7 anos, para escolher o presente de Natal em um atacado de material escolar. “É bom que eu já adianto a compra e é o Papai Noel quem paga”, brincou. Mas levar as crianças para a loja nem sempre é uma boa iniciativa. Influenciadas pelas propagandas, com apelos de personagens e artistas, elas podem estourar o orçamento dos pais ao serem atraídas pelos produtos mais caros.

Giovanna tem apenas 2 anos, mas é bem decidida na hora de fazer compras. Achou uma mochila da Barbie e não quis mais trocar por outra. “Esse vai ser o primeiro ano de escola dela. Dá vontade de comprar só coisas fofas, mas é o marido quem controla”, falou a mãe da menina, a administradora Natália dos Santos.

A escola de Danilo, filho da médica Ana Carolina Cavalcanti, cobra uma taxa de material escolar, que é opcional. “Eu acho mais prático, pois a gente não precisa enfrentar o tumulto da loja, mas também acho que sairia mais barato se eu fizesse a compra. Este ano, por exemplo, eu vou pagar R$ 490 de taxa, fora um livro de inglês que não está na lista. É meio pesado esse preço. Pelo menos, sei que os produtos são de qualidade”, ponderou. A médica contou, ainda, que não sabe exatamente quais itens são cobrados na lista.

Fonte: G1 PE

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta