Bom Jardim Notícias.com

O segredo do crescimento espiritual

O segredo do crescimento espiritual

Uma criança quando ainda está no ventre da mamãe, tem proteção, calor, e alimento necessário que só existem lá dentro; portanto,  chegará o tempo em que tudo isso acabará; irá perder o conforto e a proteção sem o direito de escolha. Ele agora passará viver em um ambiente exposto, sujeito a sentir frio, fome, e incômodo, afinal, está avançando para o crescimento, e os desafios são maiores quando se avança para tal.

Um pouco mais adiante,o conforto do colo também terá de ser trocado por vários tombos na tentativa de dar os primeiros passos. Quando já andando e falando, é hora de ir para a escola, mais uma vez terá que abrir mão de algumas coisas como: preder o domínio dos brinquedos (afinal de contas os brinquedos da escola são de todos, e não somente dele) e principalmente, a segurança de ter a mãe sempre à disposição.

Futuramente quando tornar-se um jovem (depende de cada pessoa) terá que renunciar o seu quarto, o sustento que vem dos pais e as várias horas de sono e diversão; é tempo de assumir a identidade de provedor da casa, esposa e filhos; acordar cedo e “dar duro” para sustentar seu lar, transformando-se em um verdadeiro sacerdote.

Percebeu que nesse avanço da vida só se cresce quando se perde? É esse o segredo. Com o Espírito Santo não é diferente; para crescermos  Nele é preciso renunciar coisas que inicialmente nos trarão desconforto, porém nos farão avançar. Somente desfrutar do poder e dos milagres de Deus, te faz conhecê-lo superficialmente; sofrer seu processo de renuncias  te levará a conhecê-lo de forma profunda.

No capítulo 12 de Gênesis, Deus pede a Abrão para sair da sua terra e parentela para seguir à um lugar até então desconhecido. Ele resolve obedecer ao Senhor crendo que a palavra dirigida à ele se cumpriria. Quando chegou a terra de Canaã, Deus disse: “olhe para a areia, será que podes contar? olhe para as estrelas no céu, será que as pode contar também? assim será tua descendencia, de ti farei uma grande nação.

Veja que Deus chama Abrão e lhe faz uma promessa. Para o cumprimento da promessa, foi necessário renunciar o conforto de sua casa e a segurança de provisão que seus parentes nativos podiam lhe oferecer. Abrão só avançou porque entendeu que renúncia é consequência de crescimento. Abrir mão de algo que gostamos ou queremos, muitas vezes não é opcional, é fundamental e obrigatório.

Todos nós sabemos que a maioria das promessas são condicionais, ou seja, somente virão a se  cumprir se aquele que recebeu tal promessa se sujeitar as condições impostas. É por isso que o povo de Deus pereceu no deserto quando retirou-se do Egito. Eles tinham a promessa, mais era necessário cumprir as condições à eles expostas; isso implicava em ter de deixar pra traz coisas que os mantinham seguros, como roupas alimentos e abrigo;  ao invés disso, agiram com imaturidade e incredulidade; criaram bezerros de ouro, murmuravam constantemente, e mostravam-se mais interessados em voltar ao Egito à lutar para receber o que lhes fôra prometido.

Quem decide se a promessa vai se cumprir não é Deus, somos nós mesmos.

Paulo diz em I Coríntios 13.11: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino” . Avançar para um crescimento espiritual e ministerial, implica muitas vezes em sentir-se incomodado e desconfortável; isso não quer dizer que não desejamos que a promessa se cumpra, isso quer dizer que nem sempre, tudo que há em nós está disposto a pagar o preço de um amadurecimento. A carne dificilmente contribuirá voluntáriamente para o crescimento espiritual, sendo assim, é preciso ensiná-la servir e submeter-se ao espirito; só existirá avanço espiritual se formos espirituais, ao contrário, seremos sempre meninos, dependentes do conforto e segurança terreno, negligentes o chamado e à vida no Espírito.

“As quais também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito Santo, comparando coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”. 1 Coríntios 2:13-14.

 Quando conhecermos de fato a quem adoramos, então adoraremos em Espírito ( porque Ele é Espírito ), da mesma forma, adoraremos em verdade ( porque Ele é a verdade ).

Deus vos abençoe

Miss. Marcio Dantas

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta