Bom Jardim Notícias.com

Veneno de aranha brasileira pode ser o novo Viagra

Veneno de aranha brasileira pode ser o novo Viagra

Falta de ar, salivação excessiva, tremores, e uma ereção intensamente dolorosa são todas as indicações de ser picado por um aracnídeo altamente venenoso comumente conhecido como a aranha armadeira (ou aranha de bananeira).

Aranha armadeira, veneno provoca intensa ereção

A espécie Phoneutria nigriventer, um membro da família dos Ctenidae, aranhas errantes, sua mordida pode levar a vítima a morte.

A aranha armadeira é um nativo das florestas tropicais da América Central e do Sul, mas tem se espalhado pelo mundo através de caixas de bananas exportadas, principalmente do Brasil.

A observação de que a picada da aranha banana faz com que homens tenham ereções prolongadas que podem danificar o pênis de forma permanente, faz os pesquisadores se perguntarem se seu veneno potente poderia ser à base de um novo tratamento alternativo para a disfunção erétil, ou ED. Cerca de um em cada três homens que procuram os remédios de disfunção erétil, não são ajudados pelas drogas ED atualmente no mercado.

Cientistas brasileiros e norte-americanos relatam na edição atual do Journal of Sexual Medicine que a toxina da aranha brasileira pode ajudar a tratar ED em humanos, se os testes com roedores idosos com disfunção erétil forem positivos.

“Pesquisadores do Brasil e os EUA, tem extraído a toxina chamada PnTx2-6, a partir do veneno mortal e injetou em ratos que tiveram relacionadas à idade a disfunção erétil”, conforme relata o site de notícias britânico MailOnline. “Os pesquisadores acham que a toxina impulsiona ereções por desencadear a liberação de óxido nítrico, que estimula a circulação nos genitais masculinos, ajudando as paredes dos vasos sanguíneos a relaxar.”

Tratamento derivado da toxina pode ajudar pacientes que não respondem a fármacos para a disfunção erétil, como Viagra, Levitra ou Cialis, que usam diferentes caminhos, dizem os pesquisadores.

É a aranha brasileira fazendo sucesso no mundo.

Fonte –

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta