Bom Jardim Notícias.com

Vai viajar de avião? Dores e doenças causadas por desconforto podem ser evitadas

Vai viajar de avião? Dores e doenças causadas por desconforto podem ser evitadas

Do NE10

Poltronas apertadas, falta de espaço entre elas, impossibilidade de esticar pernas, braços… tirar um cochilo tranquilo é privilégio de poucos. Viajar de avião, há muito, perdeu o glamur de outros tempos. Mais do que a desassociação do tíquete aéreo a um luxo, o que assusta o passageiro é a perda de conforto no trajeto. Dores, incômodos e o risco de desenvolver doenças mais sérias, como a trombose, são reais, mas podem ser evitadas tomando algumas precauções.

São duas as mais importantes regras para quer bem-estar durante e após o voo: sentar corretamente e caminhar na aeronave. A cada 45 minutos de voo, recomenda-se levantar por um ou dois minutos. “Diferentemente do que se pensa, a coluna sofre mais quando estamos sentados do que em pé. Sentado, a bacia tende a rodar para trás e deixa a lordose lombar reta. Em vez de ficar em repouso, ela passa horas a fio esticada, o que leva à lesão muscular e pode causar inflamação”, relata o médico Rodrigo Castro, ortopedista especialista em cirurgia de coluna.

Para chegar ao destino sem aquela incômoda sensação de corpo doído, o passageiro deve ficar atento a cinco dicas do médico. A primeira é dar preferência a aeronaves que tenham suporte para os pés. “Sem o apoio, as pernas vão ficar penduradas e o retorno do sangue nas veias não vai se dar corretamente. A congestão leva à formação de varises e dores nas pernas”, alerta. Observar a forma de se sentar é a segunda dica preciosa. Nada de deixar o corpo “enterrado” na poltrona. A nádega e a coluna torácica (a parte do meio das costas) devem estar apoiadas no encosto, não a coluna lombar [ver ilustração abaixo]. “Como as cadeiras do avião são retas, vale pedir um travesseiro, enrolar um casaco ou uma toalha de rosto logo acima da nádega”, diz o ortopedista Rodrigo Castro.

O próximo passo é jogar a poltrona para trás assim que permitido. Com a cadeira reclinada, o peso do corpo vai para trás e não carrega diretamente a coluna. Quem for aproveitar a viagem para ler deve prestar atenção na posição dos cotovelos. “O ideal é apoiá-los no suporte do braço lateral, lembrando que a revista deve ir até o olho e não o contrário. Para não forçar a coluna cervical, é melhor segurar o livro no ar a olhar para baixo”, aponta. Por último, o alívio para quem consegue dormir no voo se dará com o uso do apoio de cabeça – acolchoados em infláveis em forma de “c”. “Em vez da dor nas costas, o passageiro poderá ganhar um torcicolo”, observa.

SÍNDROME – Se a viagem é mais longa, logo tem quem tema a tão falada trombose venosa. A doença, de tão popular, ganhou o apelido de Síndrome da Classe Média. “Trata-se da formação de coágulos dentro da veia. Quando diagnosticada, é preciso de tratamento para evitar desde a progressão até a embolia pulmonar, que é a migração do coágulo da perna para o pulmão. Em alguns casos, pode ser fatal”, esclarece o cirurgião vascular Walter Von Sohsten. A receita para se prevenir é movimentar os membros do corpo dentro da aeronave. Além de caminhadas, evitar roupas justas e compressões – como posicionar uma perna em cima da outra ou apoiar bolsas no colo – também vale.

Outro alerta do cirurgião é em relação a bebidas durante o voo. Ele explica que quanto mais álcool se bebe, naturalmente, mais se urina. Por consequência, ocorre a desidratação do corpo, e o sangue fica mais viscoso – o que pode predispor a trombose venosa. Ao contrário, a ingestão de água e suco é benéfica. “A cabine do avião é fechada e o ar, mais seco. Perde-se mais líquido. Por isso o ideal é beber bastante, mas evitar o álcool”, afirma Von Sohsten.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta