Bom Jardim Notícias.com

A Palavra de Deus deste Domingo

A Palavra de Deus deste Domingo

Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos:
24“Naqueles dias, depois da grande tribulação, o sol vai se escurecer, e a lua não brilhará mais, 25as estrelas começarão a cair do céu e as forças do céu serão abaladas.
26Então vereis o Filho do Homem vindo nas nuvens com grande poder e glória. 27Ele enviará os anjos aos quatro cantos da terra e reunirá os eleitos de Deus, de uma extremidade à outra da terra.
28Aprendei, pois, da figueira esta parábola: quando seus ramos ficam verdes e as folhas começam a brotar, sabeis que o verão está perto. 29Assim também, quando virdes acontecer essas coisas, ficai sabendo que o Filho do Homem está próximo, às portas.
30Em verdade vos digo, esta geração não passará até que tudo isto aconteça. 31O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. 32Quanto àquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai”.

Marcos 13,24-32

A Volta de Cristo

Estamos no penúltimo domingo do Ano Litúrgico. O próximo domingo, dia 25, será o Domingo de Cristo Rei. Iniciando, na semana seguinte, dia 02 de dezembro, o tempo de Advento, preparando-nos para o Natal. A Palavra de Deus convida-nos a meditar no fim último do homem, no seu destino além da morte. A meta final, para onde Deus nos conduz, faz nascer em nós a esperança e a coragem para enfrentar as adversidades e lutar pelo advento do Reino.

Nesses domingos, os últimos do final do Tempo Comum e os dois primeiros do Advento querem levar os discípulos de Cristo a viverem a dimensão escatológica da vida cristã. Escatológico, significa aquilo que se refere às últimas realidades já presentes no aqui e agora da vida cristã, sobretudo após a ressurreição de Cristo. Vem da palavra “escaton”, que significa o fim, as últimas coisas.

O Profeta Daniel (Dn 12, 1-3) mostra o povo judeu oprimido sob a dominação dos gregos. Muitos judeus, apavorados pela perseguição, abandonavam até a fé … O objetivo desse livro era animar o povo a resistir diante dos opressores e lembrar que a vitória final será dos justos que perseverarem fiéis. É a primeira profissão de fé na Ressurreição, que se encontra na Bíblia.

Já no Evangelho (Mc 13, 24-33) no discurso escatológico, Jesus ensina como os seus discípulos devem viver no tempo que vai de sua elevação da terra até o seu retorno glorioso. Jesus anuncia a destruição de Jerusalém e o começo de uma nova era, com a sua vinda gloriosa após a ressurreição. A intenção não era assustar, mas conduzir a comunidade a discernir os fatos catastróficos e o futuro da comunidade cristã dentro da história. Não deviam ver como o fim do mundo, mas o início de um mundo novo. Portanto, não deviam dar ouvidos a pessoas que anunciavam o fim do mundo. Quanto ao dia e hora, só o Pai sabe…, mais ninguém… Para nós o mais importante não é saber quando isso irá acontecer, mas sim estar vigilantes e preparados para ele.

O cristão não pode ficar de braços cruzados, esperando que as coisas simplesmente aconteçam. A vida é realmente muito curta e o encontro com Jesus está próximo. Isto ajuda-nos a despreender-nos dos bens que temos de utilizar e aproveitar o tempo; mas não nos exime de maneira nenhuma de dedicar-nos plenamente à nossa profissão no seio da sociedade. Mais ainda: é com os nossos afazeres terrenos, ajudados pela graça, que temos de ganhar o Céu. E que a humanidade não caminha para a destruição, para o nada; caminha ao encontro da vida plena, ao encontro de um mundo novo. Cristo que viera, pela primeira vez ao mundo em humildade e sofrimento para o redimir do pecado, regressará no fim dos séculos, em todo o esplendor da Sua glória para recolher os frutos da Sua obra redentora.

Compreende-se, assim, como a Igreja primitiva, enamorada de Cristo e ansiosa por contemplar novamente o Seu rosto glorioso, esperasse impacientemente a Sua volta. “Vem Senhor Jesus” (Ap 21,20) era a invocação fervorosa dos primeiros cristãos que viviam com o coração voltado para Ele, como se já estivesse à porta. Esta mesma deve ser a atitude de quem compreendeu o sentido profundo da vida cristã: uma espera de Cristo, um caminhar para Ele com a lâmpada da fé e do amor bem acesa.

Agora, na intimidade da nossa alma, dizemos a Jesus: “Procuro, Senhor a Tua face, que um dia, com a ajuda da tua graça, terei a felicidade de ver face a face”(Sl 26,8). Da nossa parte, devemos estar atentos aos sinais de Deus, confiantes nas palavras de Cristo, que nos garante: “o Céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão” (Mc 13, 31).

Mons. José Maria Pereira

 

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.