Bom Jardim Notícias.com

Justiça agora beneficia investidor da Priples

Justiça agora beneficia investidor da Priples

A Justiça pernambucana agora beneficiou um investidor da Priples. A 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), determinou nesta sexta (16) o bloqueio de R$ 8.097,89 nas contas bancárias da empresa em favor de um “divulgador” da Priples, como são chamados os investidores. A liminar, uma decisão de caráter temporário, foi concedida nesta sexta-feira (16).

57f75e4011923d8aac15d2233eb2867c

A decisão foi divulgada pelo próprio TJPE, em nota. Confira a íntegra do texto:

“O desembargador Stênio Neiva, da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), determinou o bloqueio do valor de R$ 8.097,89 nas contas bancárias da empresa Priples em favor de um investidor. A liminar foi concedida nesta sexta-feira (16).

Rinaldo Moreira Cavalcanti afirmou que foi ludibriado pela empresa por meio de publicidade enganosa. Informou que investiu R$ 10 mil com a promessa de obtenção de R$ 60 mil, mas apenas recebeu a quantia de R$ 1.902,11.

O investidor ingressou na Justiça solicitando o bloqueio dos R$ 60 mil a que teria direito da conta da Priples. Após ter seu pedido negado pelo Juízo da 21ª Vara Cível, recorreu ao 2º Grau.

Em sua decisão, o desembargador Stênio Neiva explicou que, no caso, ficou caracterizado o receio do dano jurídico, pois o investidor envolveu-se em situação que suspeita ser o “golpe da pirâmide”. “Aponta o agravante que possui um crédito a receber no valor de R$ 60 mil, comprovando diversas transações e ‘investimentos’ com a ré, ora agravada, e comprovando o documento de que os donos da empresa foram presos por suspeita de crime contra a economia popular e formação de pirâmide financeira”, destacou.

No que se refere ao valor pretendido do bloqueio, R$ 60 mil, o magistrado entendeu que a decisão não pode abranger a quantia integral nesse momento em que o processo criminal ainda encontra-se em fase embrionária. Levando em consideração o valor investido, R$ 10 mil, e o já recebido por Rinaldo Moreira Cavalcanti, R$ 1.902,11, o desembargador entendeu que o suposto crédito perfaz a quantia de R$ 8.097,89.

“Faço isso com extrema cautela, considerando a urgência da medida, a fim de evitar o perecimento do direito invocado”, ressaltou. O mérito do caso ainda será julgado. A empresa pode recorrer da decisão.

http://jconline.ne10.uol.com.br/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.