Bom Jardim Notícias.com

Memória do cinema transformada em lixo

Memória do cinema transformada em lixo

Dezenas de latas de filmes, cartazes, fotografias e material de escritório de antigas distribuidoras cinematográficas, que poderiam ser de interesse para cinéfilos, deterioram-se no segundo andar de um prédio comercial abandonado na Rua da Guia, no Bairro do Recife. São cerca de cinco salas, algumas sem janelas e outras fechadas, que abrigam restos do que pertenceu, à primeira vista, às companhias Pajeú Filmes e Wander Filmes. As duas empresas fecharam as portas no começo da década de 1990.

1ffce58e96d775018db8d16c6f1a11d2

Apesar de abandonado, o prédio é habitado por Edcarlos Gomes da Silva, 39 anos, que lava carros e vende talões de Zona Azul nas ruas do bairro, na confluência entre a Rua da Guia e a Av. Barbosa Lima. “Há dois anos que o dono deixou que eu morasse no prédio, mas faz mais de 20 que trabalho por aqui”, garantiu. Para garantir uns trocados, Edcarlos e a mãe, que também mora com ele, vendem móveis velhos e latas de filmes.

No último fim de semana, o professor de história Thiago Calabria passava no bairro com um amigo quando viu um carroceiro carregando dezenas de latas. “Eu achei estranho e quis saber o que era aquilo. Esse patrimônio deveria ir para alguma instituição cultural para ser restaurado e conservado. Foi por isso que eu liguei para o jornalista Marcos Cirano e pedi que ele falasse com alguém da imprensa”, contou.

Empilhadas nos cantos das salas sob muita poeira, ainda dá para ler os títulos dos filmes em algumas latas como Vida, paixão e morte de nosso senhor Jesus Cristo, o beijo de Judas e A grande fuga do comunismo.

Nas prateleiras e no chão, centenas de cartazes e fotografias relembram que as pequenas distribuidoras trabalhavam basicamente com filmes de gêneros populares nos anos 1970, quando os cinemas exibiam, para horror dos amantes da sétima arte, uma grande quantidade de filmes de artes marciais, pornochanchadas e dos Trapalhões

Leia a reportagem completa na edição desta quinta-feira (22/08) no Caderno C, do Jornal do Commercio

 

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta