Bom Jardim Notícias.com

Cientistas americanos criam relógio mais preciso do mundo

Cientistas americanos criam relógio mais preciso do mundo

Físicos americanos revelaram nesta quinta-feira a criação do relógio atômico experimental mais preciso do mundo, com variação inferior a um segundo em 13,8 bilhões de anos, a idade estimada do Universo.

O relógio funciona com átomos de itérbio e raios lazer, o que permite uma regularidade de pulsação dez vezes superior a registrada nos relógios atômicos atuais. Em comparação a um relógio de quartzo, o novo dispositivo é 10 bilhões de vezes mais preciso.

O dispositivo tem importantes implicações potenciais, como na medida do tempo universal, na aferição dos GPS e sobre sensores de distintas forças, como gravidade, campos magnéticos e temperatura, explicou à AFP Andrew Ludlow, físico do Instituto Nacional de Normas e Tecnologia (NIST) e um dos principais autores do estudo, publicado na revista americana Science.

“Trata-se de um progresso importante na evolução dos relógios atômicos da próxima geração atualmente desenvolvidos no mundo”, destacou Ludlow.

bb5c3e7207808039672837a1d619acac

Como os demais, os relógios atômicos mantêm a medida do tempo baseando-se na duração do segundo, que corresponde a um fenômeno físico que se reproduz regularmente, mas enquanto os relógios mecânicos utilizam o movimento de um pêndulo, os atômicos se baseiam na frequência sempre constante da luz necessária para fazer vibrar um átomo de césio, a referência internacional atual.

Os últimos relógios atômicos se baseiam em 10.000 átomos de itérbio resfriados ligeiramente acima do zero absoluto (-273,15 graus Celsius). Estos átomos estão presos em tramas óticas formadas por raios lazer.

Outro lazer pulsa 518.000.000.000.000 vezes por segundo, criando uma transição entre os dois níveis de energia nos átomos que assegura uma vibração de uma regularidade inclusive maior que a de um átomo de césio e poderá conduzir a uma nova definição internacional do segundo e, por consequência, do tempo universal.

Fonte: AFP

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta