Bom Jardim Notícias.com

Termina a greve dos policiais militares em Pernambuco

Termina a greve dos policiais militares em Pernambuco
e713a77afd22970e46f67fadc95c01b0.jpg

Em assembleia, PMs decidiram terminar a greve. Decisão não foi unânime
Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem


Do NE10Com informações de Mariana Dantas, direto do Palácio do Campos das Princesas

Após três dias de braços cruzados, termina a greve da Polícia Militar e Bombeiros de Pernambuco. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (15) à noite, depois de assembleia tensa dos PMs, ao lado do Palácio do Campo das Princesas, área central do Recife. A paralisação começou na última terça-feira (13) e, nas últimas 48 horas, a população pernambucana viveu um verdadeiro clima de guerra, com tanques do Exército circulando nas ruas da Região Metropolitana do Recife. O fim da greve não foi unânime, mas os soldados devem voltar ao trabalho na noite desta quinta.

A decisão foi tomada minutos depois do fim da coletiva que reuniu o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), e o governador de Pernambuco, João Lyra (PSB), para definir a intervenção do governo federal  na segurança do Estado durante a greve. Mas, para o governo do Estado, a greve terminará apenas quando os policiais estiverem de volta aos postos. Por enquanto, os soldados da Força Nacional e do Exército permanecem no Grande Recife para restabelecer a ordem.

A categoria conquistou quatro pontos considerados emergenciais. São eles: incorporação de gratificação por risco de morte ao salário base, beneficiando ativos e inativos; reformulação do plano de cargos e carreiras a partir da próxima segunda-feira (19), com a criação de uma comissão que irá avaliar junto aos deputados estaduais as promoções na categoria; reestruturação do Hospital da Polícia Militar e criação de unidades de saúde para a categoria no interior do Estado; além da promessa do governo estadual de que o aumento salarial voltará a ser debatido na primeira semana de janeiro de 2015, após os impedimentos causados pela lei de responsabilidade fiscal e lei eleitoral.

Apesar de aprovado, o fim da greve não foi pacífico entre os integrantes da categoria. Um pequeno grupo mais exaltado seguiu na frente do Palácio do Campo das Princesas, onde a negociação foi realizada, gritando que os líderes do movimento eram covardes por terem encerrado a paralisação. A insatisfação se dá, principalmente, porque mesmo após as conquistas alcançadas, os policiais militares e bombeiros não terão um aumento salarial real após a greve. Outra reclamação é de que o fim da greve não foi votado em assembleia mas sim anunciada pelas lideranças da manifestação.

Mesmo com a insatisfação de alguns, os primeiros beneficíos do pós-greve começarão a ser sentidos a partir do mês de junho. No próximo mês, os soldados receberão o salário incorporado ao auxílio de risco de morte e mais o aumento de 14,55% previsto desde 2011. Além disso, já na segunda-feira (19), uma comissão de dez policiais e bombeiros começam a avaliar a reestruturação do Plano de Cargos e Carreiras. Dentro desse contexto, uma outra conquista para a categoria é a promessa de que as promoções acontecerão a cada cinco anos. Segundo os líderes do movimento, essa determinação é importante porque há soldados que aguardam um escalonamento há cerca de 25 anos.

Já no que diz respeito à reestruturação do Hospital da Polícia Militar de Pernambuco, o governo do Estado garantiu o investimento de R$ 4 milhões. Ainda há a proposta de criar unidades de saúde voltadas para a categoria em cidades do interior pernambucano. Os PMs e bombeiros também comemoraram a aprovação da revisão do Código Disciplinar da classe.

Sobre uma nova negociação salarial, prevista para a primeira semana de janeiro de 2015, os líderes sindicalistas garantem que se a promessa do governo não for cumprida, a categoria voltará a se mobilizar. Inicialmente, o pedido da classe é de que haja um aumento de 50% no subsídio dos praças e 30% para os oficiais, além do reajuste de R$ 150 para R$ 500 do vale alimentação. O tema não pôde ser debatido porque o Estado é impedido de oferecer reajustes salariais faltando menos de 180 dias para as eleições, que ocorrem em outubro.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.