Bom Jardim Notícias.com

Frei Damião nas Santas Missões em Bom Jardim – PE.

Frei Damião nas Santas Missões em Bom Jardim – PE.

Frei Damião nas Santas Missões em Bom Jardim – PE.

13718710_1052888731459824_6799147184236016393_n a b (1) b (2) b (3) b (4)

Frade capuchinho nascido na cidade de Bozzano, nome de uma vila na província de Lucca, norte da Itália, conhecido nacionalmente a partir da campanha política de Fernando Collor, quando o religioso subiu num palanque de seu comício, em 1989. Frei Damiano de Bozzano, antes Pio Gianotti, recebeu o novo nome ao ser ordenado frade, em 1923. Desde pequeno pensava em ser padre, tinha um irmão também franciscano e uma irmã freira. Filho de camponeses, ingressou aos 12 anos na Ordem dos Capuchinhos e, durante o tempo do seminário, teve de servir o exército e lutar na I Guerra Mundial. Péssimo soldado, assim que terminou o serviço militar Frei Damião voltou para a Ordem e ordenou-se em Roma, onde se formou em Teologia Dogmática, Filosofia e Direito Canônico. Em 1931, chegava ao Recife e dava início à missão em Gravatá. Passou a pregar no interior de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Sergipe e norte da Bahia. Ia de povoado em povoado, sempre andando a pé pelas estradas. Orador de recursos e com forte sotaque italiano, atraía multidões falando com mensagens ameaçadoras e apocalípticas sobre os mandamentos da Igreja, prometendo o fogo do inferno aos pecadores e o paraíso aos justos. Na multidão impressionada, alguns batiam no peito e rezavam baixinho. Alguns viajavam a pé distâncias enormes para chegar ao lugarejo perdido na caatinga somente para ouvir Frei Damião. Entretanto, para o clero, o frade que percorria os sertões do Nordeste de batina surrada era um embaraço, o que havia de mais atrasado em seu seio. O estilo desse religioso de barba branca, olhos claros e transparecendo a santidade do homem superior às coisas deste mundo, tinha como base o Concílio de Trento, de 1563, inspirado na doutrina medieval, que era implacável. Combatia todas as formas de dissolução do sacramento, o desquite, o divórcio. Atacava o beijo, a minissaia, as calças compridas para mulheres e a dança. Conta-se que, logo após sua passagem, desapareciam por bastante tempo as bebedeiras, o barulho e as brigas. Na década de 60, orientada pelo Concílio Vaticano II, a Igreja adotou um comportamento mais contemporâneo, mas Damião não mudou sua pregação. Foi então proibido de subir ao púlpito em várias dioceses do Nordeste. Em 66 anos de carreira de devoto, vários milagres são atribuídos a ele, sendo contabilizados mais de 80 pelo Instituto de Teologia do Recife. Os mais impressionantes seriam os de castigo, pois decretaria a morte súbita, como no caso de um cônjuge infiel, ou transformaria a pessoa em animal. Garante-se que fez chover mais de uma vez no sertão. Os fiéis já ligavam a figura do beato à do Padre Cícero. Transformado em mito, muitos acreditavam que ele não comia nem dormia, principalmente devido à vida austera que levava. Tinha o hábito de levantar-se às quatro da manhã, rezava missa, confessava o povo até meio-dia, almoçava pouco, quase não conversava e voltava à igreja para novas confissões. À tardinha, jantava um pouco, fazia pregações e tornava a voltar para o confessionário até uma hora da manhã. Após sua morte, o túmulo no convento de São Félix no Recife começou a ser visitado por romeiros vindos de todas as partes do Nordeste. Frei Damião faleceu aos 98 anos, em 31 de maio de 1997.

Fonte – Manoel Souto de Arruda

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta