Bom Jardim Notícias.com

Como funciona o feromônio na atração sexual?

Como funciona o feromônio na atração sexual?

Vem comigo! Água começando a ferver, pó de café para ser coado, garrafa térmica pronta para armazenar. Descrevendo a cena já sinto o cheiro do café sendo coado, mesmo antes de jogar a água ao pó. Não só o cheiro, mas a sensação dele estar quentinho e me vem à cabeça memórias de bons momentos que o café já me trouxe e o desejo de bons novos momentos que me trará. Sinto junto do cheiro de café, o gosto do pão de queijo, ouço alguém contar uma estória, queimo de leve a boca com a pressa de provar o café, sinto um afago familiar, um prazer!

144655478921978179_ml

Bom, espero que você goste de café. Se não, pense no cheiro de algo que te agrada, seja saboroso e te traga boas lembranças. Se você também gosta de café vieram a sua mente algumas lembranças, cheiros e sabores enquanto lia a minha experiência.

Assim é a vida sexual, precisa de todos os sentidos (olfato, tato, paladar, visão e audição) para te trazer prazer. E, quanto mais prazer, mais gostinho de quero mais, mais desejo, mais prazer.

E por falar em sentidos, o cheiro (olfato) é uma das formas que nos atraímos sexualmente. É aí que entra o feromônio, um dos mistérios na atração sexual.

Feromônio vem do grego Pherein, conduzir e Horman, excitar. É o nosso odor (cheiro) natural, considerado uma forma poderosa de atrair alguém sexualmente.

Já é comprovado cientificamente que é através do cheiro (olfato) que os animais e os insetos se atraem sexualmente. E que, no mundo animal, o feromônio é uma substância química que pode alterar/influenciar o comportamento do outro. Nos animais ele prima pela perpetuação das espécies e pode alterar a fisiologia reprodutiva e/ou o comportamento.

E nós, indivíduos com histórias e sentidos diferenciados como reagimos ao feromônio?

Como na história do café, o olfato evoca memórias e identifica coisas e pessoas. E essas informações olfativas chegam ao cérebro. Assim, o feromônio (seu cheiro! Não o do perfume, do creme, do shampoo, do desodorante…) é captado pelo sistema olfativo através do nariz e este sistema transmite, através de sinais químicos, a informação para o cérebro.  Estas substâncias químicas é que vão afetar/interferir o comportamento sexual.

Pesquisas têm demonstrado a existência de feromônio atuando em efeitos reprodutivos em humanos. Por exemplo, a tendência a ciclos menstruais sincronizados de mulheres que passam muito tempo juntas (mães, filhas, irmãs). Você já deve ter vivenciado ou presenciado esta experiência.

E no comportamento sexual, como saber se o feromônio está em ação?

A química entre o casal é um dos indicadores. O cheiro influencia a libido, atraindo os corpos. Logo, o cheiro de um(a) parceiro(a) sexual, se bom para você, pode sim ter um efeito positivo sobre a sua excitação sexual.

Quer dar uma ajuda para os feromônios? Mantenha na sua rotina a atividade física. O suor liberado na sua pele é um afrodisíaco natural. Quanto maior a liberação de suor, mais feromônios envolvidos na atração sexual.

Saiba que é importante você manter o predomínio do seu cheiro natural, como já disse, nada de excessos no uso de perfumes, cremes, shampoos e desodorantes. Mas, a aromaterapia ensina que você pode sim incrementar seu poder de atração sexual usando óleos essenciais a base de ervas, como ylang ylang e lavanda, que são eficazes como afrodisíacos. Nada de exagero, apenas algumas gotas em pontos estratégicos do seu corpo (atrás dos joelhos, atrás das orelhas, na virilha, na nuca…) ou até mesmo no lençol, no travesseiro, no ambiente.

Lembre-se: nada exclui o companheirismo, o desenvolver e nutrir um bom relacionamento, o jogo de sedução deverá sempre acontecer. Para isso, ative todos os seus sentidos. Existem acessórios sexuais (odorizadores de ambiente, pétalas perfumadas, calcinhas comestíveis, lingeries, camisinhas com sabores…) que podem te auxiliar no momento a dois. Use e abuse!

Confie nos seus sentidos! Confie na história que o seu nariz te contar!

Carolina Freitas é Mestre em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília, Psicóloga, Psicopedagoga, Sexóloga, Especialista em Educação Sexual. Terapeuta Sexual pelo Centro de Sexologia de Brasília CESEX, Membro associado à Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana SBRASH. Colaboradora do Primeiro Portal de Orientação em Sexualidade Humana do Brasil  Sexosemdúvida.com

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta