Bom Jardim Notícias.com

Transposição: substituta da Mendes Júnior será contratada em licitação mais rápida

Transposição: substituta da Mendes Júnior será contratada em licitação mais rápida

O Ministério da Integração Nacional anunciou nesta segunda-feira (17) que vai contratar por Regime Diferenciado de Contratação (RDC), uma licitação mais ágil, a empresa que vai substituir a Mendes Júnior na obra do eixo norte da Transposição do Rio São Francisco. Envolvida na Operação Lava Jato, a empreiteira e passou a ter dificuldade para obter crédito. Atrasada há seis anos, a entrega do empreendimento agora é prometida para 2017.

transposicao-748x410

Nesse regime, ao contrário do convencional, em que a análise jurídica das empresas é feita antes de oferecerem os lances, o preço é apresentado antes e apenas o vencedor deve apresentar a documentação para ser habilitada. A média de tempo até a contratação é de três meses, metade do que é comum no modelo tradicional.

Além disso, a pasta anunciou nesta segunda-feira (17) que será aberta, a partir do dia 31 deste mês, consulta pública dos serviços ainda pendentes. O trecho da obra é de 140 quilômetros de extensão, desde Cabrobó, no Sertão pernambucano até o reservatório Jati, na cidade de mesmo nome, no Ceará.

De acordo com a Integração Nacional, 90,7% das obras no eixo norte estão completas. No eixo leste, prometido até dezembro, foram concluídos 88,7%.

Através da consulta pública, as empresas que tiverem interesse de participar da licitação poderão visitar as obras, analisar documentos técnicos e antecipar questionamentos. De acordo com a pasta, a consulta vai dar celeridade à licitação e contribuirá para elaboração do edital que deverá ser lançado em novembro.

Em Pernambuco, além do problema na própria Transposição, há ainda o Ramal do Agreste, que vai levar a água do eixo leste para a Adutora do Agreste. Sem isso, o canal não ajuda essa região de Pernambuco. Orçada em R$ 1,2 bilhão, a obra já foi de responsabilidade do Ministério da Integração, passou para o governo estadual e depois voltou para a gestão federal, sem dar andamento à obra. A adutora, no entanto, não está em situação muito melhor; a construção, iniciada em 2013, está em ritmo lento. Essa semana, a pasta liberou R$ 25 milhões para essa obra.

http://blogs.ne10.uol.com.br/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta