Bom Jardim Notícias.com

Pesquisadores descobrem que xixi de bebês pode curar rins de adultos.

Pesquisadores descobrem que xixi de bebês pode curar rins de adultos.

Os bebês ainda nascem tão vulneráveis… possivelmente, você não imaginaria que esses pequenos humanos têm capacidade de salvarem vidas através do xixi. Isso é possível por causa das células-tronco que, como sabemos, quando na fase embrionária, podem se transformar com facilidade em qualquer parte do corpo humano. Apesar da utilidade já comprovada dessas células no tratamento de diversas doenças, sua extração de embriões gera fortes polêmicas. Uma forma legal e menos invasiva de obter células-tronco é buscando-as em dentes, gengiva e, agora, na urina.

Segundo um estudo da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, a urina dos recém-nascidos entre a 31ª e a 36ª semana da gravidez possuem grandes quantidade de células-tronco. Apesar de não serem tão poderosas quanto as embrionárias, as células tronco vindas dos rins já são suficientes para regenerar tecido renal de um adulto doente.

Os rins dos bebês só se formam mais tarde na gestação. O que quer dizer que até muito perto do parto ainda estão agregando modificações. Quando um bebê nasce prematuro, o órgão ainda está em formação e o xixi dos bebês fica repleto de células-tronco com um reconhecível potencial terapêutico.

Bebês prematuros já nascem com a capacidade de salvar vidas e evitar transplantes de rim
Bebês prematuros já nascem com a capacidade de salvar vidas e evitar transplantes de rim

Os testes foram muito animadores. Para testar o poder das células-tronco do xixi dos bebês, os cientistas usaram uma toxina contra as células renais de um adulto e todas elas morreram. Depois, acrescentaram células-tronco da urina ao experimento. Elas criaram uma rede de proteção às células adultas, regenerando o tecido.

Com estes resultados, os médicos esperam melhorar muito as condições de pacientes que precisam de transplantes. Eles esperam poder regenerar o tecido renal de possíveis candidatos ao transplante e evitar que o paciente precisa passar por um procedimento tão invasivo. Vamos torcer.

Fonte: asnjournalssuper.abril   
   Imagens: Reprodução/pinterest/  super.abril /
Compartilhar

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta