Bom Jardim Notícias.com

Chapéu de Palha capacita 3,2 mil mulheres em 2016

Chapéu de Palha capacita 3,2 mil mulheres em 2016

Chapéu de Palha capacita 3,2 mil mulheres em 2016

Ao todo o programa capacitou este ano 5,7 mil pessoas da zona canavieira e da pesca artesanal

Em 2016, o Programa Chapéu de Palha capacitou 3,2 mil mulheres da região da zona canavieira e da pesca artesanal em Pernambuco. O programa é coordenado pela Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) e as capacitações das trabalhadoras foram realizadas em parceria com a Secretaria da Mulher de Pernambuco (SecMulher-PE). Outros 2,5 mil trabalhadores também foram capacitados este ano no segmento da pesca artesanal, em parceria com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação (Sempetq).

foto1_-jaqueline_arruda_-marisqueira_brasilia_teimosa foto2_maria_vicente_trabalhadora_da_cana_sao_lourenco_da_mata

 Ao todo, o Programa Chapéu de Palha investiu R$ 3,5 milhões em capacitações em 2016. Destes, R$ 2,5 milhões foram aplicados nas formações de mulheres. Devido ao contingenciamento de gastos do governo estadual, não foi possível realizar as capacitações na modalidade Fruticultura Irrigada. “Fizemos a capacitação de 5,7 mil pessoas este ano, na zona canavieira e no segmento da pesca. Infelizmente, por restrições financeiras, não conseguimos viabilizar as capacitações da fruta, mas estamos buscando recursos para viabilizá-las em 2017”, afirma o coordenador do programa, Humberto Viana.

 Já o pagamento das bolsas do Chapéu de Palha, mesmo em cenário de forte crise financeira, foi garantido de forma regular nas três modalidades do programa (Palha da Cana, Fruticultura Irrigada e Pesca Artesanal). Em 2016, o Chapéu de Palha está atendendo quase 50 mil pessoas com ofertas de bolsas, significando um investimento de R$ 40 milhões. Os beneficiários estão espalhados por 118 municípios em todo o Estado.

 O Programa Chapéu de Palha foi criado para garantir a subsistência dos trabalhadores e trabalhadoras durante a entressafra, através do pagamento de bolsas e de capacitações. A iniciativa foi idealizada por Miguel Arraes, em 1987, e depois de uma interrupção foi reeditado por Eduardo Campos, em 2007. Em princípio, focado nas pessoas que trabalhavam na palha da cana, o programa foi estendido para os trabalhadores e trabalhadoras da fruticultura irrigada, em 2009, e para os pescadores e pescadoras artesanais, em 2012.

 Acontecendo de forma ininterrupta desde 2007, o Chapéu de Palha já beneficiou 294 mil trabalhadores e trabalhadoras da cana-de-açúcar, 102,8 mil da fruticultura irrigada e 42 mil pescadores e pescadoras artesanais, totalizando 437 mil pessoas. Nos últimos 10 anos, foram investidos mais de R$ 340 milhões só com benefícios financeiros, dos quais R$ 51,3 foram investidos no Chapéu de Palha Mulher. O programa também capacitou 324 mil pessoas em diversos cursos de áreas temáticas diferentes, das quais 86,1 mil são mulheres.

Compartilhar

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta