Bom Jardim Notícias.com

Náutico faz o dever de casa e goleia o combalido Central

Náutico faz o dever de casa e goleia o combalido Central

Náutico não tinha nada com isso. Aproveitou a atuação lamentável do Central para golear por 5×0 na noite desta quarta-feira (5), na Arena Pernambuco pela nona rodada do Hexagonal do Título do Campeonato Pernambucano. Os três pontos deixam o Timbu com 15 pontos, deixando para trás o Sport, que está com 14. Na próxima segunda, os alvirrubros encerram a participação nesta fase no clássico contra o Santa Cruz.

 BOCEJOS
O público não foi apenas pequeno, mas também pouco empolgado – para não dizer enfadado – com o jogo. Não era dificil, dando uma olhada rápida pelas cadeiras era comum ver muitos torcedores bocejando ou batendo papo enquanto a bola rolava

FAIXA
Tirando o atraso de três anos, o goleiro Jefferson contou com o apoio da família na Arena. Uma bandeira do Náutico trazia o recado: ‘Jefferson, confia em Deus que tudo ele fará’. O apoio deu certo. O prata da casa foi pouco incomodado e, quando chamado, fez o básico.

POUCA OBJETIVIDADE
A opção do técnico Milton Cruz por encher o meio de campo de gente deu mais posse de bola ao Timbu, é verdaade. Mas posse de bola sem uma estratégia de chegar ao gol é quase enxugar gelo: vai para um lado, para o outro mas ninguém quer saber de empurrar a bola para o gol. Foi por isso que o time demorou tanto a levar perigo. O próprio gol de Marco Antônio só saiu por dois motivos: furada de Leanderson, que pegou na orelha da bola e não conseguiu afastar o cruzamento de Tiago Alves, e o impedimento de Rodrigo Souza não assinalado. O camisa 8 foi o alvo do lançamento de Tiago. Mas Marco Antônio ficou com a sobra e usou a categoria que lhe é peculiar para mandar rasteiro no canto esquerdo.

ZICA
Não tem nada a ver com o aedes aegypti. Tem a ver com a má fase que insiste em não largar o atacante Jefferson Nem. Primeiro ele concluiu para o gol um cruzamento de Giovanni. Mas estava impedido e o gol foi anulado. Depois, Dudu ajeitou de peito para ele quase na linha da pequena área e só faltou dizer: “Te consagra!”. Ele pegou mas de canela do que de peito de pé e isolou.

MEIO IDEAL
Na volta para o segundo tempo, o Náutico veio com Maylson no lugar de Darlan. Estava formado o meio de campo com as melhores peças para o setor. Seria injusto dizer que eles não corresponderam, mas a imensa fragilidade do Central não criou a dificuldade que o quarteto Rodrigo Souza/Maylson/Dudu/Marco precisava para se preparar melhor para as semifinais. Mesmo assim, o segundo gol alvirrubro saiu numa cobrança de escanteio de Marco Antônio que Maylson mandou de cabeça para as redes aos 14. A cabeça também foi a arma de Anselmo para fazer 3×0 quatro minutos depois. David cruzou rasteiro, a bola desviou no pé da defesa centralina e encontrou o centroavante livre para escolher o canto. O camisa nove repetiu a dose aos 31 depois do cruzamento de David.

TRISTE E BIZARRO
No início do segundo tempo o zagueiro Thomas avançou à linha divisória do gramado para tentar um lançamento longo. Escorregou e trombou a perna esquerda na direita. O segundo tempo foi a síntese do péssimo campeonato do Central. Alguns lances, como o citado acima, foram dignos de comédia. No gol de Igor Neves, o quinto, o jogdor do Náutico recebeu a bola, perdeu o domínio, recuperou – e nesse ínterim ninguém conseguiu tirar – até chutar rasteiro e a bola passar por baixo do corpo do goleiro Dênis.

Ficha do jogo:

Náutico: Jefferson; David, Tiago Alves, Páscoa e Giovanni; Darlan (Maylson), Rodrigo Souza, Marco Antônio (Igor Neves) e Dudu; Jefferson Nem (Jefferson Renan) e Anselmo. Técnico: Milton Cruz.

Central: Dênis; Leanderson, Sanny Rodrigues, Thomaz e Daniel São Caetano; Paulinho Curuá, Wesley (Felipe), Markinhos (Robinho) e Gabriel Silva; Gildo (Idevan) e Azul. Técnico: Catende.

Campeonato Pernambucano (9ª rodada). Local: Arena Pernambuco. Árbitra: Deborah Cecília Cruz Correia. Assistentes: Clovis Amaral da Silva e Fernando Antônio da Silva Junior. Gols: Marco Antônio, aos 26 do primeiro tempo. Maylson, aos 14; Anselmo, aos 18 e 31; Igor Neves, aos 32 do segundo. Cartões amarelos: Paulinho Curuá, Idevan, Marco Antônio, Darlan.

http://blogs.ne10.uol.com.br

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta