Bom Jardim Notícias.com

Hipertensão: a importância de conhecer, evitar e controlar

Hipertensão: a importância de conhecer, evitar e controlar

A hipertensão é uma condição multifatorial que pode resultar em complicações em órgãos vitais e alterações metabólicas, muitas vezes fatais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão resulta em complicações em órgãos vitais como coração, cérebro, rins e vasos sanguíneos e a alterações metabólicas, com consequente aumento do risco de eventos cardiovasculares, muitas vezes fatais.

Hipertensão é fator de risco modificável

A HAS é muito comum na população e é considerada um dos principais fatores de risco (FR) modificáveis e um dos mais importantes problemas de saúde pública. A mortalidade por doença cardiovascular (DCV) aumenta progressivamente com a elevação da PA a partir de 115/75 mmHg.

Atualmente, cerca de 10 milhões de mortes no mundo são atribuídas à elevação da PA (secundárias a ocorrência de acidentes vasculares cerebrais isquêmicos e hemorrágicos e a doença coronária), sendo mais da metade em indivíduos entre 45 e 69 anos.

Em nosso país, as DCV têm sido a principal causa de morte nos últimos anos, e estratégias para detecção da HAS, de controle e de prevenção são fundamentais para a redução de mortes cardiovasculares.

A HAS resulta na ocorrência de acidente vascular (derrame cerebral), doença coronária (angina e infarto), cardiomiopatia (doença do músculo cardíaco), retinopatia (podendo resultar em cegueira) e doença renal terminal, resultando em um número elevado de pacientes com necessidade de diálise. Inquéritos populacionais em cidades brasileiras nos últimos 20 anos apontaram uma prevalência de HAS acima de 30%, com mais de 50% entre 60 e 69 anos e 75% acima de 70 anos, com proporção semelhante entre homens e mulheres.

Tratamento e controle são fundamentais

Estudos clínicos demonstraram que a detecção, o tratamento e o controle da HAS são fundamentais para a redução dos eventos cardiovasculares. No Brasil, 14 estudos populacionais realizados nos últimos 15 anos com 14.783 indivíduos (PA < 140/90 mmHg) revelaram baixos níveis de controle da PA (19,6%). Os esforços concentrados dos profissionais de saúde, das sociedade científicas, das agências governamentais e da população são fundamentais para se atingir metas de tratamento e controle da HAS.

A importância da prevenção

A hipertensão arterial é uma doença grave que tem prevenção e tratamento eficazes. O excesso de peso, a ingestão excessiva de sódio, o sedentarismo, o estresse emocional e a ingestão excessiva de álcool são fatores associados a maior ocorrência de hipertensão arterial, à maior gravidade e a menor possibilidade de controle adequado.

Mudanças no estilo de vida são entusiasticamente recomendadas na prevenção primária da HAS. Hábitos saudáveis de vida devem ser adotados desde a infância e adolescência, respeitando-se as características regionais, culturais, sociais e econômicas dos indivíduos.

As principais recomendações não-medicamentosas para prevenção primária da HAS são: alimentação saudável, consumo controlado de sódio e álcool, ingestão de potássio, combate ao sedentarismo e ao tabagismo.

A medida correta da pressão arterial supervisionada pelo médico é fundamental, com aparelhos calibrados, validados estando o paciente em condições ideais. Uma vez detectada a hipertensão arterial, o paciente deve fazer seguimento médico regular, com o objetivo de adequar o tratamento, visando a redução das complicações cardiovasculares e renais da hipertensão que muitas vezes são fatais.

A prevenção, o controle e o tratamento da hipertensão arterial são essenciais para a saúde cardiovascular.

 

Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/hipertensao-a-importancia-de-conhecer-evitar-e-controlar/ – Por Roberto Kalil – iStock/Getty Images

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta