Bom Jardim Notícias.com

5 medos relacionados ao sexo para os quais a ciência já tem resposta

5 medos relacionados ao sexo para os quais a ciência já tem resposta

Seja você homem ou mulher, fazer sexo provavelmente já foi seu objetivo algum dia em sua vida – talvez em mais de um, talvez em todos. Mas nem sempre é fácil conseguir alguém que queira transar com você. Seja porque você é muito tímido, ou porque acha que nenhum cara vale a pena, ou porque acha que vai se arrepender de um sexo casual, há muitos motivos para não conseguir sexo. Mas algumas das coisas que acreditamos e que impedem que conheçamos alguém não possuem nenhum embasamento científico. Pelo contrário, a ciência mostra que eles são verdadeiros mitos que estão apenas atrapalhando nosso caminho em direção à felicidade – ou pelo menos a uma boa noite de sexo.

A lista abaixo mostra respostas científicas para cinco medos que as pessoas costumam ter quando se trata de sexo e de relações com outros seres humanos.

  1. Homens e mulheres se sentem atraídos por diferentes tipos de abordagens

Muitos homens e muitas mulheres têm dificuldade na hora de conhecer alguém. Principalmente no que diz respeito ao que falar para começar a conversa. Essa é uma parte crucial de qualquer relação humana, e pode realmente ser difícil encontrar as palavras certas. Mas se a ciência pode dizer algo a respeito disso é: conheça seu público.

Em um estudo feito na década de 80, pesquisadores analisaram a eficácia de 100 cantadas em várias configurações diferentes, incluindo bares, supermercados, restaurantes, lavanderias e praias. Eles encontraram três categorias principais: cantadas diretas, que são honestas e vão direto ao ponto (por exemplo, “eu sou um pouco tímido, mas eu gostaria de conhecê-la”), cantadas inocentes, que escondem as verdadeiras intenções da pessoa (“por exemplo,”o que você acha dessa banda?”), e cantadas irreverentes, que envolvem humor, mas muitas vezes de maneira barata e não autêntica (exemplos não faltam, do nível “Seu pai é padeiro? Por que você é um sonho!” para baixo)

Homens e mulheres envolvidos no estudo concordaram que as cantadas irreverentes eram menos atraentes. As mulheres, no entanto, preferiam as cantadas inocentes e tinham uma maior aversão às cantadas irreverentes do que os homens, enquanto os homens preferiam as abordagens mais diretas do que as mulheres.

Essas preferências, no entanto, estão relacionadas a pessoas que têm em mente relacionamentos longos. Quando o interesse é apenas sexual, é diferente. Um estudo realizado com estudantes universitários descobriu que as mulheres estavam dispostas a ter uma caso de curto prazo com os homens por quem estavam atraídas independentemente do conteúdo de suas cantadas. As diferenças individuais mais estáveis também desempenham um papel. Pessoas extrovertidas e mais voltadas para relações não duradouras são mais receptivas ao humor e cantadas mais sexuais.

O estado mental das pessoas também é um fator decisivo na hora de respondermos às abordagens. Em um estudo recente, 99 alunos de graduação receberam uma tarefa de escrita de cinco minutos na qual eles foram convidados a descrever uma viagem recente. Alguns alunos não puderam usar as letras A ou N em qualquer parte da história, enquanto outros não receberam nenhuma restrição cognitiva. Após a tarefa de redação, os participantes analisaram a imagem de uma atraente pessoa do sexo oposto e avaliaram como responderiam se a pessoa se aproximasse delas usando uma das três categorias de cantada: direta, inocente e irreverente.

Aqueles cujos cérebros foram cognitivamente exigidos estavam menos receptivos a cantadas irreverentes em comparação com os que não foram. As pessoas do grupo esgotado eram mais propensas a pedir a quem usasse esse tipo de cantada que os deixasse em paz ou ignorar a cantada. Em contraste, os alunos esgotados estavam menos propensos a ignorar a pessoa e pedir que a pessoa os deixasse em paz caso uma cantada inocente fosse usada. A receptividade às cantadas mais diretas não foi afetada pelo esgotamento cognitivo. Havia também efeitos de gênero consistentes com a pesquisa anterior. Nesta pesquisa, os homens também estavam mais receptivos a cantadas diretas, e as mulheres mais receptivas a cantadas inocentes. Além disso, as mulheres eram menos receptivas a cantadas irreverentes.

Os pesquisadores acreditam que, quando se trata de cantadas irreverentes, é necessário menos esforço mental para descobrir as intenções das pessoas. Isso, junto ao fato de que um indivíduo esgotado e fraco pode ter menos tolerância para tentativas óbvias de aproximação, faz com que haja uma aversão maior a este tipo de abordagem. Quando se trata de cantadas inocentes e que não deixam claras as intenções, no entanto, as coisas são muito mais ambíguas. Isso requer muito mais recursos cognitivos para decifrar a intenção, às vezes demais. Como os pesquisadores observam, é menos socialmente estranho que o indivíduo com o cérebro esgotado continue a conversa até que as intenções da pessoa se tornem mais óbvias.

  1. As pessoas não se arrependem tanto assim de sexo casual

Muita gente evita casos de sexo casual por medo dos arrependimentos que podem vir depois. Mas, segundo a ciência, este é um medo sem muitos fundamentos. Claro, sempre é possível se arrepender. Alguns estudos inclusive comprovam que as pessoas costumam lamentar esse tipo de escolha. O sexo fora de uma relação romântica também traz menos satisfação do que o sexo romântico. Porém, estes mesmos estudos mostram que estes sentimentos são fracos, principalmente quando comparados com a satisfação e a alegria durante e após o ato sexual.

Para ambos os sexos, o arrependimento pós-sexo não é particularmente forte. E é muito menor do que os sentimentos de diversão e prazer que o sexo casual oferece.

Por exemplo, um dos estudos que mostraram o arrependimento pós-sexo, também mostrou que a grande maioria dos estudantes que participavam da pesquisa (independentemente da experiência) teve apenas “poucos arrependimentos” (61%) ou “nenhum arrependimento” (23%) sobre suas decisões sexuais. E apenas uma minoria relatou “alguns arrependimentos” (13%) ou “muitos arrependimentos” (3%). Da mesma forma, em outro estudo, com estudantes do sexo feminino, o arrependimento foi bem abaixo do ponto médio da escala de 1 (nenhum) a 7 (muito), enquanto o prazer estava bem acima do ponto médio da escala tanto para o sexo romântico quanto para o casual.

Na verdade, praticamente todos os estudos que avaliaram reações negativas e positivas após conexões descobriram que os sentimentos positivos são mais fortes e mais frequentes.

  1. As mulheres se lembram dos pênis maiores do que eles realmente são

Essa é para ajudar os homens inseguros em relação a seus órgãos sexuais. Em um estudo recente, feito no Laboratório de Psicopatologia Sexual e Neurociência Afetiva (SPAN) da Universidade da Califórina, em Los Angles, nos EUA, para determinar a importância do comprimento e da largura do pênis para as mulheres na hora do sexo, descobriu que elas tendem a superestimar o tamanho dos pênis depois de vê-los pela primeira vez.

As mulheres receberam um entre alguns modelos de pênis feitos em 3D e puderam examiná-lo por 30 segundos. Elas foram então convidadas a escolher o mesmo modelo entre outros 33 modelos, imediatamente ou depois de completar uma pesquisa de 10 minutos.

Depois de completar a pesquisa de 10 minutos, as mulheres tendem a superestimar o tamanho do pênis que examinaram anteriormente, segundo o estudo. Esta descoberta pode ser reconfortante para os homens que são autoconscientes sobre o tamanho do pénis, disseram os pesquisadores. “Para os homens que estão considerando uma cirurgia para aumentar o tamanho de seus órgãos, talvez eles não precisem depois disso, já que as mulheres tendem a superestimar o tamanho de um pênis que elas viram”, brinca Shannon Leung, uma das autoras do estudo.

Mais importante: a pesquisa comprovou que a largura é mais importante para elas do que o comprimento.

  1. Rejeições melhoram a intuição

Muitas vezes, as pessoas não tomam atitudes em relação às outras pelo medo da rejeição. Realmente, não é fácil receber um não. Mas esse é um caso em que o ditado que diz que o que não nos mata nos deixa mais fortes está correto. Um estudo recente descobriu que a rejeição pode melhorar nossa intuição e capacidade de ler os outros.

Os pesquisadores fizeram alguns indivíduos do estudo escreverem sobre um momento em que eles se sentiram excluídos ou rejeitados, enquanto outros escreveram sobre algum momento em que eles se sentiram aceitos e um grupo de controle apenas escreveu sobre o que aconteceu no dia anterior. As histórias de rejeição incluíam o término com um parceiro ou a um encontro de amigos para o qual a pessoa não era chamada.

Os participantes então assistiram 20 vídeos rápidos mostrando uma pessoa com um sorriso falso ou real. Os resultados mostraram que aqueles preparados para sentir a rejeição distinguiram os falsos sorrisos quase 80% das vezes, em comparação com cerca de 60% dos indivíduos aceitos e do grupo de controle.

“Esta parece ser uma habilidade que adquirimos através da evolução”, explica o pesquisador Michael Bernstein, doutorando em psicologia social na Universidade de Miami, nos EUA. “Viver em grupos há várias centenas de anos atrás era extremamente importante para a sobrevivência. Ser expulso do grupo era como a morte, então estes indivíduos ficaram muito bons na leitura de expressões faciais e pistas sociais”.

Ele aponta que o segredo para esse sucesso está nos olhos. “Nós acreditamos que as pessoas rejeitadas provavelmente estão se esforçando mais ao olhar para esses rostos, e elas podem, na verdade, estar olhando para melhores pontos no rosto. Um sorriso real não é mostrado na boca, é mostrado nos olhos”, diz ele. “Há músculos ao redor dos olhos que são indicativos de um sorriso real, enquanto que um sorriso falso apenas requer os músculos da boca”, explica.

Então, quando somos rejeitados de forma romântica (ou em qualquer ambiente social), nosso cérebro trabalha mais para se concentrar no que os rostos de outras pessoas significam. De repente, ficamos atentos ao que parece ser um sorriso falso ou uma risada forçada, especificamente porque fomos rejeitados.

  1. Ninguém está fazendo tanto sexo quanto você pensa

É comum acreditar que as pessoas ao nosso redor fazem mais sexo do que nós. Essa impressão provavelmente é aumentada pelos filmes, séries e novelas, que mostram geralmente personagens com vidas sexuais muito ativas, em contraste com outros que não se dão tão bem assim – geralmente nos identificamos com esses, e não com aqueles. Mas essa impressão provavelmente está errada. As pesquisas mostram que a média de parceiros sexuais na vida das pessoas não é tão alta assim.

Em uma delas, feita recentemente com 2 mil pessoas na Europa e nos EUA, mostra que a média de parceiros sexuais para homens é de 6,4, enquanto entre as mulheres o número é de sete parceiros.

No Brasil e na América Latina os números são um pouco mais altos, mas não absurdos: uma pesquisa feita em 2010 apontou que, no continente, a média era de 10 parceiros sexuais durante a vida. No Brasil, o número era um pouco maior: 12. Curiosamente, a mesma pesquisa apontou que apenas 67,4% das mulheres e 58,6% dos homens admitiram falar a verdade em relação ao número de parceiros sexuais ao serem questionados.

Em ambas as pesquisas, houve uma tendência dos homens de aumentarem o número de parceiras, enquanto as mulheres, pelo contrário, diminuíam seu número, numa clara influência da pressão social que existe sobre eles, para que sejam “garanhões”, e sobre elas, para que não sejam muito “fáceis”. [Cracked, Psychology Today, Live Science, O Globo]

Fonte: https://hypescience.com/medos-sexo-ciencia/ –  Por Jéssica Maes

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta