Bom Jardim Notícias.com

Comandante do Exército questiona comportamento das instituições

Comandante do Exército questiona comportamento das instituições

Sem citar diretamente o julgamento do habeas corpus de Lula, o general Villas Bôas usou as redes sociais para questionar o comportamento das instituições

O general Villas Bôas também disse que o Exército repudia a impunidade e está à disposição da nação  / Foto: Marcelo Camargo/EBC/FotosPúblicas

O general Villas Bôas também disse que o Exército repudia a impunidade e está à disposição da nação
Foto: Marcelo Camargo/EBC/FotosPúblicas
Estadão Conteúdo

Sem citar diretamente o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, marcado para esta quarta-feira (4), no Supremo Tribunal Federal (STF), o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, usou as redes sociais para questionar o comportamento das instituições brasileiras e dizer que o Exército repudia a impunidade e está à disposição da Nação brasileira.

“Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, questionou o comandante, que tem mais de 112 mil seguidores no Twitter.

O general disse ainda assegurar à Nação “que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

Declaração de general da reserva sobre Lula

Conforme mostrou o jornal O Estado de S.Paulo nesta terça-feira (3), o general de Exército da reserva Luiz Gonzaga Schroeder Lessa disse que, se o STF deixar Lula solto, estará agindo como “indutor” da violência entre os brasileiros, “propagando a luta fratricida, em vez de amenizá-la”.

Lessa foi além. Disse que, se o tribunal permitir que Lula se candidate e se eleja presidente, não restará outra alternativa do que a intervenção militar. “Se acontecer tanta rasteira e mudança da lei, aí eu não tenho dúvida de que só resta o recurso à reação armada. Aí é dever da Força Armada restaurar a ordem. Mas não creio que chegaremos lá.”

Lessa já havia se manifestado na semana passada à Rádio Bandeirantes, de Porto Alegre, quando também foi enfático. Disse que a confrontação não será pacifica. “Vai ter derramamento de sangue, infelizmente é isso que a gente receia.” E acrescentou que essa crise “vai ser resolvida na bala.”

Procurado, o Exército informou que as declarações de Lessa representam a “opinião pessoal” dele. “O Exército brasileiro pauta sua atuação dentro dos parâmetros legais balizados pela Constituição Federal e outras normas que regem o assunto.” O STF disse que não se manifestaria sobre o caso.

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/politica/

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.