Bom Jardim Notícias.com

Remédios para depressão e Parkinson podem causar demência

Remédios para depressão e Parkinson podem causar demência

O uso prolongado de medicamentos comumente utilizados no tratamento de depressão, Parkinson e incontinência urinária aumenta o risco de demência. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico científico BMJ, pessoas que tomaram remédios, prescritos especialmente para idosos, por mais de um ano apresentaram uma probabilidade 30% maior de desenvolver a doença.

Os anticolinérgicas, que atuam bloqueando os efeitos da acetilcolina, molécula neurotransmissora que afeta o humor, o movimento e a bexiga, já foram associados a outros problemas de saúde como quedas, confusão e problemas de memória. Mas esse é o primeiro a relacionar o uso desses medicamentos ao aumento do risco de demência.

Demência e anticolinérgicos

A pesquisa analisou o risco de demência de início recente em cerca de 350.000 idosos no Reino Unido. Usando informações recolhidas no Banco de Dados de Pesquisa Clínica do Reino Unido, eles buscaram identificar 40.770 pacientes com idades entre 65 e 99 anos diagnosticados com demência entre abril de 2006 e julho de 2015. Para comprovar a relação entre a demência e os anticolinérgicos, os pesquisadores compararam quantas doses diárias dessa medicação foram prescritas entre um intervalo de tempo de quatro e 20 anos anteriores ao estudo.

“No total, 27 milhões de prescrições foram analisadas durante esse período. Descobrimos que cerca de 9% dos pacientes com demência haviam tomado anticolinérgicos no passado, em comparação com cerca de 6%  dos pacientes no grupo de controle, no qual havia 30.000 indivíduos”, disse George Savva, principal autor do estudo, durante coletiva de imprensa.

Esse resultado indica que pacientes com um novo diagnóstico de demência tiveram significativamente mais exposição a medicamentos anticolinérgicos durante o período de estudo do que aqueles sem a doença.

A chance de um indivíduo aleatório desenvolver demência é de 10%. Entretanto, o uso de anticolinérgicos aumenta esse risco para 13%.

Fatores de risco

Os anticolinérgicos como amitriptilina (usado para tratar a depressão), oxibutinina(incontinência urinária) e prociclidina (doença de Parkinson), por exemplo, foram associados a um risco aumentado em cerca de 30% no desenvolvimento de demência. “Para os urológicos e antidepressivos, há uma associação bastante clara entre o uso a longo prazo e a incidência de demência. Para medicamentos antiparkinsonianos, o risco existe, mas há muito menos dessas prescrições no banco de dados, então há muito menos certeza”, afirmou Savva.

Apesar de o risco ser consideravelmente alto, os cientistas ainda não sabem determinar os motivos que levam ao aumento do risco de demência entre pessoas que tomam certos medicamentos anticolinérgicos.

Além disso, essa porcentagem é menor do que a associada a outros fatores de risco para a demência, como tabagismo, isolamento social e inatividade física. De acordo com um estudo realizado no ano passado, esses fatores relacionados ao estilo de vida mostraram um aumento de 40% a 60% na chance de desenvolver demência.

Alzheimer e demência

Demência é uma determinação genérica que classifica todas as formas de doenças que causam declínio no funcionamento cerebral de um indivíduo. Já o Alzheimer é a forma mais comum da doença, representando 60% a 70% dos casos de demência, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo a Mayo Clinic, uma instituição de pesquisas médica dos Estados Unidos, até o momento sabe-se que os níveis de acetilcolina são significativamente mais baixos em pessoas com Alzheimer. Portanto, algumas drogas anticolinérgicas podem bloquear a atividade normal da acetilcolina em regiões do cérebro associadas à memória e à cognição, resultando em sintomas do Alzheimer.

“Há também algumas evidências de que os anticolinérgicos podem afetar a neuroinflamação. Assim, uma rota presumida é que ela pode criar uma cascata inflamatória, que leva à deposição de tau e amiloide”, comentou Savva. Tau e amiloide são proteínas encontradas nos cérebros de muitos pacientes com demência, particularmente aqueles com Alzheimer.

Recomenda-se cautela

Segundo o Martin Rossor, professor de neurologia clínica da University College London, na Inglaterra, o estudo foi de natureza observacional, o que torna difícil tirar conclusões definitivas sobre a causalidade. “É importante ser cauteloso sobre as associações, pois elas não provam a causa. Por exemplo, a depressão é comum antes do início da demência e, portanto, aqueles indivíduos que recebem um antidepressivo com efeitos anticolinérgicos podem já ter uma doença como Alzheimer que levará à demência em 10 anos”, alertou.

No entanto, esses mesmos resultados alertam os médicos sobre a necessidade de procurar alternativas viáveis para evitar prescrever anticolinérgicos sempre que possível. Os pesquisadores também alertam que os pacientes devem sempre consultar seus médicos antes de mudar qualquer regime de medicação.

Giulia Vidale

Fonte – https://www.msn.com/pt-br/saude/medicina/rem%C3%A9dios-para-depress%C3%A3o-e-parkinson-podem-causar-dem%C3%AAncia/ar-AAwojfu?li=AAggPNl

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.