Bom Jardim Notícias.com

Confira 7 curiosidades sobre o problema do mau hálito

Confira as explicações do médico Vladimir Schraibman, especialista em cirurgia geral, gastrocirurgia e orientador de cirurgias robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital Albert Einstein, de São Paulo:

1 –
O hálito é composto pelo ar expirado após a inspiração que provoca as trocas gasosas fisiológicas, associado às substâncias eliminadas por via pulmonar. Essas substâncias partem do intestino para o fígado, bile, sangue e, finalmente, pulmões, quando são eliminados pela expiração. Todo o processo resulta no odor desagradável por causa da passagem do ar pela cavidade bucal ou estômago durante a respiração.

2 –
Em pacientes portadores de refluxo, o conteúdo do estômago reflui em direção à boca contendo restos alimentares e sucos gástricos que, muitas vezes, ainda estão indigestos, causando mau hálito crônico. A gastrite, por gerar uma lentidão maior no estômago, pode induzir quadros de digestão lenta com liberação de “gases” estomacais que originam o odor bucal. Refeições ricas em proteínas também podem gerar o problema, pois acarretam uma digestão lenta com liberação de amônia e resíduos que são ricos em odores que levam à halitose.

3 –
Pesquisas efetuadas pela Associação Brasileira de Halitose (ABHA) concluíram que é um mito que o mau hálito crônico tenha sua origem no estômago. Isso existe porque se associou estômago vazio com halitose, mas é um fenômeno passageiro. Se a pessoa ficar mais de quatro horas sem se alimentar, o corpo sofre com hipoglicemia (diminuição na quantidade de açúcar para o organismo queimar). Assim, o organismo passa a consumir ácido graxo (gordura), presente na corrente sanguínea. Esse ácido possui um odor fétido e é volátil. Quando a pessoa expira e há a troca de gases no pulmão, o cheiro ruim do ácido graxo é eliminado, sendo caracterizado como halitose matinal, que muitas pessoas têm. Mas, a partir do momento que se alimenta, o mau cheiro desaparece.

4 –
Há vários problemas que podem influenciar no aparecimento da halitose, como jejum prolongado, higiene bucal inadequada, diabetes, prisão de ventre. Estresse e medicamentos controlados também podem ser responsáveis pelo mau hálito, porque inibem o fluxo salivar.

5 –
A halitose pode provocar alguns prejuízos emocionais, como insegurança ao se aproximar das pessoas, seguida de depressão, dificuldade em estabelecer relações amorosas, esfriamento do relacionamento do casal, resistência ao sorriso, ansiedade, e baixo desempenho profissional, quando o contato com outros é exigido.

6 –
Menos de 10% das pessoas que sofrem com a halitose têm problema gástrico. Em 90% dos casos, a saburra lingual (placa bacteriana esbranquiçada, que também pode ter coloração amarelada ou amarronzada, que se forma no fundo da língua) é a principal causa do incômodo.

7 –
Quando a halitose é gerada por problemas digestivos, o médico deve avaliar quais detritos estão mais presentes na mucosa bucal e, a partir daí, definir se há necessidade de um tratamento ou apenas orientação sobre a higiene bucal.

Fonte: Terra

Artigos Relacionados

1 Comentário

  1. Dr Marcos Moura
    9 de agosto de 2011 às 10:50 Responder & darr;

    Mais informações sobre Mau Hálito , visite o Site da Associação Brasileira de Halitose – ABHA – http://www.abha.org.br
    Obrigado
    Att.
    Marcos Moura
    Presidente da ABHA

Deixe uma resposta