Bom Jardim Notícias.com

O que você precisa saber sobre o VAR, novidade na Copa do Brasil

O que você precisa saber sobre o VAR, novidade na Copa do Brasil

Pela primeira vez em competições nacionais organizadas pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o sistema de árbitro de vídeo (VAR) será utilizado para auxiliar as marcações dos juízes. A tecnologia estreia nesta quarta-feira (1º), quando será realizada as partidas de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

O primeiro jogo com o sistema será o confronto entre Santos e Cruzeiro, marcado para 19h30, na Vila Belmiro. Às 21h45, outros dois duelos: Corinthians x Chapecoense e Grêmio x Flamengo. Na quinta-feira (2), o Palmeiras visita o Bahia.

No Brasil, a tecnologia foi testada no ano passado na final do Campeonato Pernambucano entre Sport x Salgueiro.

Abaixo, confira um guia de perguntas e respostas para esclarecer as principais questões envolvendo o uso do árbitro de vídeo.

– Árbitro e VAR conversam o tempo inteiro?

O fone do árbitro e o microfone do VAR estão abertos o tempo todo, mas isso não significa que durante todo o jogo um esteja falando com o outro. A comunicação é feita apenas para avisar em lances que estão sob checagem que pode levar a uma revisão.

– Existe um idioma universal do VAR, como na aviação?

Há alguns comandos preestabelecidos a serem dados para indicar revisão. É uma linguagem direta e objetiva.

– Ninguém sabe o que é dito entre juiz e VAR?

A comunicação só é ouvida pelo árbitro, assistentes em campo e por quem está na sala do VAR, localizada no estádio onde será realizada cada partida.

– Quais as diferenças do VAR utilizado na Copa do Mundo e na Copa do Brasil?

No Mundial da Rússia, foram utilizadas entre 33 e 35 câmeras. Na Copa do Brasil, serão de 14 a 16. Na Copa, quatro pessoas trabalhavam na sala do VAR, enquanto no Brasil são três.

– O VAR avalia todos os lances durante o jogo?

O VAR assiste ao jogo na íntegra. Ele avalia pênaltis marcados e não marcados,  impedimentos, lances de cartão vermelho direto aplicados ou não aplicados e identificação do jogador na punição de cartão.

– Tudo é gravado?

Sim, para ser avaliado depois pela comissão de arbitragem. O sistema será alimentado com as imagens da transmissão da TV Globo -utilizadas também pela Fox-, dona dos direitos de exibição do torneio. Os clubes têm direito de pedir o áudio e o vídeo.

– O árbitro de campo pode chamar o VAR?

Pode consultar caso haja dúvida em alguma marcação para pedir revisão.

– Quantos são os auxiliares de vídeo?

No Brasil, as equipes são formadas por três pessoas: um árbitro de vídeo principal, um assistente e um supervisor. Na Copa do Mundo, foram quatro pessoas.

– Como os auxiliares de vídeo foram preparados?

Foram implementadas mais de 400 horas de treinamento para mais de 80 árbitros e assistentes, que passaram por aulas teóricas, simulações ao vivo, treinos com reprises de jogos e testes off-line em seis estádios diferentes. Além disso, testes foram realizados em cerca de 50 jogos amistosos.

– De quem é a decisão final, do árbitro do campo ou do auxiliar de vídeo?

Sempre do árbitro de campo. Para os lances interpretativos, o auxiliar de vídeo passará a opinião, e o de campo tomará a decisão, podendo consultar ou não o monitor.

– O árbitro do campo pode rever o lance no monitor?

A Fifa recomenda que apenas lances de interpretação devam ser revistos pelo árbitro no monitor. Um exemplo: quando houve uma mão na bola, se ela foi de forma intencional ou não. Em lances não interpretativos não é necessário, como para determinar se a bola saiu ou não de campo ou confusão de identidade de jogadores.

– O VAR auxilia em qualquer lance de cartão?

Não, apenas em incidentes passíveis de cartão vermelho.

– Como em outros esportes, jogadores e comissão técnica podem pedir ajuda do VAR?

Não, isso é proibido. Jogadores que insistirem no gesto indicando uma televisão (usado pelo juiz para indicar que pediu auxílio do VAR) podem inclusive serem punidos com cartão.

– Até quando o árbitro pode mudar uma marcação de campo por decisão do VAR?

Depende do tipo de lance. Nos casos de pênaltis ou de infrações que resultem em um gol, a revisão precisa acontecer antes ou, no máximo, até antes do reinício da primeira interrupção do jogo após o lance polêmico. Nos casos de erro de identificação de jogador ou incidente punível com cartão vermelho ou amarelo a revisão pode acontecer a qualquer momento.

– Existe um tempo limite para a tomada de decisão quando o árbitro corre para a TV ao lado do campo?

Não existe um limite, mas a tendência, pelos estudos e testes feitos, é que as decisões levem entre 30 segundos e um minuto, contando desde o anúncio de que a jogada está sob revisão até a decisão final do árbitro.

– Existe um limite de vezes que o VAR pode ser acionado durante um jogo?

O VAR pode ser acionado quantas vezes forem necessárias durante o jogo. Sempre caberá ao assistente de vídeo avisar ao árbitro se é necessária uma revisão.

– O árbitro pode mudar a finalidade de um pedido de VAR? Por exemplo, pede por causa de uma dúvida de impedimento, mas, ao rever as imagens, detecta um pênalti.

Sim, ao consultar o VAR pode haver mudança da finalidade. Por exemplo: se em uma jogada de disputa dentro da área, antes do impedimento houver um pênalti, mas só o impedimento tiver sido marcado originalmente, o assistente de vídeo pode apontar que houve um pênalti e ele será cobrado normalmente.

– O que acontece se um jogador tirar a camisa para comemorar um gol, receber o amarelo e o gol for anulado pelo VAR?

O cartão amarelo será mantido mesmo que o gol seja anulado, pois consiste em uma atitude antidesportiva.

– Qual a recomendação para os bandeirinhas em caso de dúvida em um impedimento?

A recomendação é para não levantarem a bandeira e deixarem o lance seguir, pois assim será possível fazer uma revisão do lance para anular ou não caso ele resulte em gol.

Fonte – https://www.noticiasaominuto.com.br/esporte/630304/o-que-voce-precisa-saber-sobre-o-var-novidade-na-copa-do-brasil

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.